You are here
Home > Opinião > Um demônio chamado capital

Um demônio chamado capital

A despersonificação que a esquerda faz com o uso da palavra “capital” me parece uma tentativa de esconder que a essência dos males do mundo social encontra-se em um ponto que apenas as teorias econômicas neo-liberais parecem entender. Capital não toma decisões, capital não distribui produção, capital não produz, capital é algo sem vontade e sem identidade… criado, manipulado e usado por indivíduos… São seres humanos, tomados individualmente, que tomam decisões diárias em seu próprio interesse, assim como todo e qualquer indivíduo da espécie.

Ao usar o “capital” como um agente, estas pessoas procuram lavar suas mãos em relação ao que acontece à sua volta… Os males passam a ser atribuídos a um diabo moderno, intangível, inalcançável e poderoso… Mas na verdade, o que se esconde por trás das mazelas humanas nada mais é do que boas e más decisões, interagindo diariamente… Decisões que emergem de indivíduos, seres humanos dos mais diversos níveis que mudam poderosos, mudam mercados, mudam relações sociais…

No fundo, por trás do “capital”, por trás das classes, por trás da vida social, está cada um de nós, muitas vezes agindo de maneira divergente de nossas próprias pregações e perpetuando esta dinâmica…

A sugestão que deriva desta observação serve para esquerdistas, direitistas, religiosos etc… antes de vilanizar demônios inexistentes, pense que na verdade estes existem apenas para despersonificar ações de agentes reais, como cada um de nós. Cada pessoa, tomada individualmente, é de certa forma parte destes demônios intangíveis o que nos leva a uma autorreflexão a respeito de como nossas próprias decisões e ações têm contribuído para perpetuar tudo o que dizemos abominar ou até mesmo nosso próprio calvário.

Leonardo Augusto Amaral Terra
Leonardo Augusto Amaral Terra
Mestre e Doutor em ciências pelo programa de Administração de Organizações da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, na Universidade de São Paulo (FEARP - USP). Possui MBA executivo em Gerenciamento de Projetos pela Fundação Getúlio Vargas e Graduação em Administração de Empresas pela FEARP - USP. Atua como professor, pesquisador e consultor na área de estratégia e desenvolvimento organizacional, explorando os princípios que regem os sistemas socioeconômicos por meio da matemática do caos e da epistemologia sistêmica e suas aplicações no processo estratégico e nas interações sistêmicas das organizações. Vencedor do West Churchman Memorial Prize em 2014.
http://lattes.cnpq.br/3022429953017645
Top