You are here
Home > Opinião > Por uma revolução social sistêmica

Por uma revolução social sistêmica

Infelizmente, ainda temos no Brasil gente que pensa com a cabeça do século XIX, em plena era da informação, do caos e da complexidade. Resolvo então compartilhar algumas reflexões com aqueles que ainda vivem no passado, para ver se estes conseguem entender o quão prejudicial é o pensamento que propagam…

Esse papo de Direita e Esquerda, que muitos, inclusive o MLP, têm encampado está pode acabar com o Brasil e a força dos movimentos que estamos vivendo. Essa idéia dialética que a evolução histórica precisa do conflito para existir já era, foi superada. Não que Hegel e Marx estivessem errados, mas esta é uma visão ultrapassada da história que não tem base científica e tampouco uma lógica robusta. Ela apenas serviu aos interesses das lutas de classes daquele período mas estão muito distantes de serem um princípio válido ao longo de toda a história.

A ciência de verdade já descobriu os princípios que possibilitam a emergência de novas formas de ordem e ela não vem nem do 8 nem do 80, tampouco do embate entre estes. Ela vem da auto-organização que permite o surgimento de novas dinâmicas pela simples reconfiguração das relação entre os componentes de um sistema (Não sou eu que digo isso é Illya Prigogine, laureado com o prêmio nobel e uma das mentes mais brilhantes do século XX).

Precisamos todos acordar para esta realidade de que não precisamos de esquerda e nem de direita, não precisamos de antagonismo ou oposição que o mundo dialético proposto por Marx e Hegel é limitado para para amparar as relações históricas e sociais. Precisamos de RELAÇÕES sólidas e bem configuradas que envolvam respeito mútuo e objetivos em comum.

Precisamos de uma abordagem sistêmica da realidade para construir uma sociedade mais justa e promissora. Temos que pensar JUNTOS, nos interesses do país e permitir que a ordem possa emergir sempre que as condições e relações mudarem. Apenas isso. Sem embates, sem inimigos, sem perdedores… Uma dinâmica regida por princípios onde todos possam sair vencedores.

Leonardo Augusto Amaral Terra
Leonardo Augusto Amaral Terra
Mestre e Doutor em ciências pelo programa de Administração de Organizações da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, na Universidade de São Paulo (FEARP - USP). Possui MBA executivo em Gerenciamento de Projetos pela Fundação Getúlio Vargas e Graduação em Administração de Empresas pela FEARP - USP. Atua como professor, pesquisador e consultor na área de estratégia e desenvolvimento organizacional, explorando os princípios que regem os sistemas socioeconômicos por meio da matemática do caos e da epistemologia sistêmica e suas aplicações no processo estratégico e nas interações sistêmicas das organizações. Vencedor do West Churchman Memorial Prize em 2014.
http://lattes.cnpq.br/3022429953017645
Top