You are here
Home > Reflexões > Reflexões Econômicas > A Parábola Da Casa Em Construção

A Parábola Da Casa Em Construção

O nosso atual governo parece escolher a dedo os pilares mais importantes para serem demolidos. Atacam e destroem aquilo que sustenta o futuro da economia de um país…

O que muitos parecem não perceber, é que nestas condições, vários programas sociais vão ter que morrer ou encolher e a máquina terá que ser enxugada, seja porque o bom senso vai falar, seja porque o dinheiro vai de fato acabar… Não é mais uma questão de se, mas de quando isso vai acontecer e de quanto sustentar esta demagogia vai custar para o Brasil e para as próximas gerações.

As pessoas precisam aprender muito com a área de gestão, sobre pensamento sistêmico e uso inteligente de recursos limitados….

Vou tentar passar um dos princípios deste conhecimento, por meio de uma parábola.

Basicamente não adianta tentar fazer acabamento, se o alicerce é fraco. Quando a casa cair, o acabamento cai junto….

Em um país, o alicerce é o sistema econômico, gostem os socialistas ou não… Se ele vai mal, tudo se perde. Se ele vai bem, é possível construir o restante da casa e expandi-la.

FHC, por exemplo, pode ser realmente culpado de não nos dar acabamento, mas certamente nos deu um alicerce. Lula usou este alicerce para dar mais conforto à população, o que foi um fato positivo. O problema é que continuou ampliando a casa sem alicerce, principalmente a partir de 2008. Basicamente, fez um “puxadinho”, seguindo a boa tradição brasileira…

Dilma, não contente, optou por dinamitar o alicerce e remover alguns pilares (como a proteção da LDR, os ajustes viáveis de tarifas e a educação). O Resultado é que uma hora o “puxadinho” cai, levando acabamento, alicerce e tudo mais, exatamente como aconteceu na Venezuela e está acontecendo no Brasil e o povo, antes iludido com mais espaço e um belo acabamento, acaba soterrado em escombros.

Neste contexto, FHC de fato nos entregou apenas uma edícula, mas com um bom alicerce…nada mais… O PT de Lula e Dilma, em sua megalomania desorientada, resolveu fazer o trabalho de 30 anos em 5 e tentou empilhar um palácio em cima do alicerce degradado de uma edícula… No meio da obra, ela simplesmente começou a desabar, como era de se esperar…

Moral da história… Tínhamos uma edícula, e a megalomania do “puxadinho” de Lula e Dilma caminha para nos devolver um terreno cheio de entulho…. Enquanto isso, a esperança que tínhamos de ter uma casa de verdade, mais uma vez se afasta,  e assistimos inertes, enquanto as pedras vão caindo sobre nós.

Leonardo Augusto Amaral Terra
Leonardo Augusto Amaral Terra
Mestre e Doutor em ciências pelo programa de Administração de Organizações da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, na Universidade de São Paulo (FEARP - USP). Possui MBA executivo em Gerenciamento de Projetos pela Fundação Getúlio Vargas e Graduação em Administração de Empresas pela FEARP - USP. Atua como professor, pesquisador e consultor na área de estratégia e desenvolvimento organizacional, explorando os princípios que regem os sistemas socioeconômicos por meio da matemática do caos e da epistemologia sistêmica e suas aplicações no processo estratégico e nas interações sistêmicas das organizações. Vencedor do West Churchman Memorial Prize em 2014.
http://lattes.cnpq.br/3022429953017645
Top